quinta-feira, 8 de outubro de 2015

Das premonições

Se eu soubesse muito antes, tudo o que hoje sei,
muitas ações eu não teria executado.
Alguns beijos eu desviaria.
Sei de abraços que eu deveria ter dado.
Mas de tudo o que fiz, algumas me deixam encucado.
Em especial aquela com a faca de cozinha,
no meu dedo desavisado.

domingo, 13 de setembro de 2015

Eles passarão, ele passarinho

Eu não esperava muita coisa, mas sei que eu tremia na base. Mal tínhamos começado à namorar e ela me levou numa pizzaria, lá estava parte da família. No canto direito da mesa sentava um homem corpulento que falou sobre passarinhos, comida italiana, azeite de oliva e me zoou pelo nervosismo. Quando fomos embora, eu e ela fomos até meu carro e ela disse que ele tinha uma grave doença. Eu nem notara, com tanta felicidade e espírito de porco em uma só pessoa. Com o tempo as visitasaos pais dela  foram ficando frequentes. Ela costumava ficar com a mãe dela no quarto e eu na cozinha tagarelando com aquele homenzarrão. Costumava sentar perto da janela para assistir ele cozinhar (já que nunca aceitava ajuda). Eu adorava passar horas conversando com ele sobre tantas coisas que agora nem consigo lembrar. Ela sempre me agradecia por conversar com ele, mas era eu que tinha que agradecer tanto carinho. O tempo continuava correndo e ele correndo contra o tempo. Eu tinha tanta certeza que ainda íamos apostar corridas na praia que eu não esperava que tão logo ele virasse passarinho.
Voa, meu sogro, voa.

sábado, 2 de maio de 2015

Às vezes me sinto uma criança com duas peças de um mesmo quebra-cabeça, duas peças que eu não consigo encaixar...

quinta-feira, 16 de abril de 2015

E não é que hoje senti saudade daqui? Esse meu cantinho de aconchego em que descarrego o que me transborda. Hoje transbordou saudade de escrever. É engraçado que quando estamos felizes a necessidade de vomitar as coisas quase some e a válvula de escape praticamente se fecha. Ando tão ocupada flutuando nas minhas felicidades que não tenho mais vindo pros meus cantos de retiro. Acho que deveria deslizar mais coisas boas para cá. Hoje fui olhar os tantos blogs que costumava seguir, estão todos meio abandonados, sem texto algum. Espero que esse povo também sinta saudade e volte a dedilhar seus texto pra cá, mesmo não conhecendo a maioria, eles fizeram parte de mim por muito tempo.

segunda-feira, 27 de outubro de 2014

O que é o amor se não deitar-se todos os dias com alguém e se sentir a pessoa mais sortuda de todo o mundo? Ou se não um olhar que durou segundos? O que é o amor se não aquele abraço entre mãe e filho? Ou aquela brincadeira entre criança e seu cão? O amor é completa e totalmente indefinido, não possui tempo, muito menos espaço. Não se pode ditar quais são seus limites, nem quais são suas aparências. É algo tão magnifico que não se pode aprisionar em uma só palavra, nem em várias delas. E é tão inútil tentar descrevê-lo, que já rendeu tantas linhas como essas...

segunda-feira, 29 de setembro de 2014

Eu tenho medo. Medo não só por mim, mas todos que tem algo em comum comigo. Toda semana um assassinato de LGBT é registrado, no norte  e no nordeste é onde mais anda acontecendo. Pessoas que não agrediram ninguém são agredidas por serem elas mesmas. Temos discursos de ódio em rede nacional e vejo muita gente concordando. Vejo omissão, vejo ódio descarado, vejo gays concordando com atitudes homofóbicas, vejo tanto absurdo que cada mais eu temo pela minha menina. Temo pela filha que um dia pretendo adotar, temo pela minha mulher, temo pela família que ainda estou formando e não sei como protegê-la. Só penso que cada vez mais eu preciso lutar por direitos que, pelo bom senso, não tem o porque de serem questionados. Senhorxs agressorxs, não quero que vocês façam parte da minha vida, não quero que a minha história influencie a sua, se eu passar de mãos dadas com a minha futura esposa e isso não te agradar, apenas feche os olhos, não grite ofensas. O que faço dentro da minha casa não vai afetar a sua, não se preocupe. Apenas deixe, deixe eu amar quem eu quero, deixe eu fazer a minha família ao meu jeito. Isso não fará você gostar do mesmo sexo e eu não vou destruir seu lar, só quero o meu casamento com a mulher que me consentiu isso, do mesmo modo que você casou com quem você ama. Eu só quero ser feliz e não sentir mais medo. Mais nada. Por favor, pense com carinho, cada um fica no seu canto, cuidando da sua própria vida e todo mundo pode viver mais tranquilo.

quarta-feira, 10 de setembro de 2014

Tem dias que dá vontade de ficar escrevendo,
não necessariamente para falar sobre algo,
nem falar sobre nada.
Mas sabe,
é tão bom só falar no mudo...